domingo, 25 de agosto de 2013

Actualizando 2 de... algumas.



A propósito do post anterior, lembrei-me de uma outra vantagem que se tinha em ser puto durante o período de férias, e agora faço uma viagem bem mais longa, e vou até à altura em que era rapaz ai com 1 ou 2 anos de idade. Não me lembro de nada, estranhamente, mas diz a minha Mãe e familiares que era um rapaz bem disposto, simpático e bastante sociável. E nessa tenra idade, a Mãezinha gostava muito de pôr o Zé tal como veio ao mundo, e lá andava eu de mangalhito ao sol e com eles a badalar. Bom, para ser sincero, dizem, atenção, dizem que nessa altura já fazia um grande sucesso e, por onde quer que passasse, as meninas e senhoras ficavam boquiabertas com o quanto a natureza havia sido generosa comigo! É verdade...

E por estes dias, deitado ao sol, 30 e tais graus, a pele a arder, um calor fogoso, a dama ali ao longe, a espalhar o creme e a não chegar a todo o corpo, sem alguém que ajudasse, e eu, ainda que deitado na toalha, de barriga para baixo, só me lembrava e pensava o quão maravilhoso era voltar a ser criança! Sim! Ao menos podia dar uma corrida até ao mar sem que ninguém reclamasse... e ainda com a vantagem de a dita que tal, viesse logo de imediato pedir para que lhe espalhasse o creme nas costas...

Pronto, assim me despeço de mais um espaço de actualizações, e até à próxima.
Deixo uma foto, para mais tarde recordar...




Vá, não reclamem, tinha de ser assim nesta pose, já disse que sou tímido!





2 comentários:

  1. Fizeste-me rir! Essa coisa de imaginar os ditos cujos a badalar fez-me lembrar uns sinos que ouvi quando estava ajoelhada a rezar... :D
    Boas férias!!!

    ResponderEliminar
  2. Primaço, pá, com as botas do meu pai, também eu era homem!

    (curiosamente, tenho uma foto tomando banho, dentro de um alguidar
    de chapa zincada, deveria ter a mesma idade e recordo-me de que, quando a ferramenta entrou na água,
    aquecida ao sol, a dita transbordou, tal o peso do equipamento) :)))))

    Abraço, Zé!

    ResponderEliminar