domingo, 1 de dezembro de 2013

"Se estivesses a afogar-te, vinha acudir-te, embrulhava-te num cobertor e dava-te chá quente. Se fosse o xerife, prendia-te e fechava-te numa cela com aloquete. Se fosses uma ave, gravava um disco e ficava a ouvir a noite inteira o teu trilo agudo. Se fosse o sargento, serias a minha recruta, e, garanto-te, ias adorar a instrução. Se fosses chinesa, aprendia a língua, queimava pilhas de incenso, vestia roupas esquisitas. Se fosses um espelho, invadia as Senhoras, dava-te o meu baton e punha-te pó de arroz no nariz. Se gostasses de vulcões, seria a lava, em erupção contínua da minha secreta fonte. E se fosses a minha mulher, era o teu amante, porque a Igreja ao divórcio se opõe firmemente.”

IOSIF BRODSKII

Hoje teria feito tudo para que ficasses comigo... au revoir, mon amour.




5 comentários:

  1. Ela volta.. insiste e não desistas.:))

    ResponderEliminar
  2. Primaço, é fodido!
    Como eu te compreendo...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Um "tudo" que se repetiria por todos os dias que ainda faltam viver.
    Beijos

    ResponderEliminar