quinta-feira, 22 de maio de 2014

Uma vez, no Far West...


Esta noite tive um sonho esquisito como o catano! Sonhei que tinha uma casa com alpendre, do género casa na pradaria. Sempre quis ter uma casa assim... E então, de manhã acordava, saía ao alpendre, pegava na minha cadeira, colocava-a ao centro, na descida das escadas que davam para o jardim, e sentava-me com a caçadeira na mão, recostando-me. E quando digo caçadeira, refiro-me mesmo a uma arma de fogo e não aquilo que essas mentes perniciosas estarão a pensar. Não pensaram? Eu pensei!

E então, ficava ali à espera que os coelhos bravos que povoavam o sítio começassem a saltitar. Fazia mira e puummm! 
   - Queriiiiiidaaaaaaaa! 
   - Sim, amor?!
   - Anda cá buscar o almoço, hoje quero coelho à caçador.
   - Ohhh, outra vez coelho? Sempre coelho, só coelho, não sabes pedir outra coisa. 
   - Que queres, caralho? Só há coelhos por aqui, não tenho culpa. Mas vá, hoje estás com sorte, hoje é lebre! Siga, toca a tratar do bichinho. É grande, já viste?! 
E lá ía ela a arrastar o chinelo e a abanar a anca, e onde, imaginava eu, que por debaixo do vestido, nada mais trazia. E com o sol matinal a bater-me, lá começava eu a ficar bruto... Olhava no horizonte, voltava a pegar na caçadeira, e puummm, logo à noite é assado no forno, pensava eu. 
   - Queriiiidaaaaa!
   - Sim, amor?!
Respondia-me sempre com a mesma cadência de voz. Tinha cá uma paciência para mim....
   - Anda cá fazer-me uma festinha...
   - Ohhh, agora?! Agora não posso, estou ocupada, espera! Sempre a chamar, sempre a pedir, sempre a reclamar, sempre... e eu deixava de a ouvir, embora ela continuasse a falar e a protestar.

Os homens têm uma capacidade quase desmedida para ouvir os protestos das mulheres.... nhanhanha, nhanhanha... e nós, com um sorriso nos lábios... nhanhanha, nhanhanha... e nós, indiferentes ao seu tom de voz histérico e descontrolado... nhanhanha, nhanhanha... e a dada altura temos também a capacidade de nos abstrairmos e sair dali, ainda que nós e ela, ali permaneçamos. 

Mas eu, hoje, fiquei. Não saí, não vagueei, não viajei, não fui dar uma volta e fiquei. Eu, hoje, ou talvez até ontem, fartei-me de a ouvir e hoje, matei-a! Matei-a! Ainda que ela por aí ande, eu matei-a e morreu-me nas mãos, nos dedos, nas palavras... Cansei-me de a ouvir, esgotei-me nas suas demências, esvaziei-me das suas dúvidas, e no limite da minha paciência, matei-a!E assim já não a ouço, ainda que ela por aí ande, pode falar o que quiser, protestar, questionar, insultar, contrariar, porque eu já não a ouço...







   - Queriiiiidaaa! ( esta é a do sonho)
   Vens ou não vens fazer-me uma festinha??!!


...




16 comentários:

  1. First of all, o sonho... impagável.
    Camisa de flanela? Botas à cowboy? Imaginação, imaginação... :)

    Then, um beijinho gordo Zézito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No, cariño! Está calor para usar camisa de flanela, hoje é mais com o peito e o 6 pack à mostra! Hehehe
      E de botas também não, seria uma cholezada tremenda, hoje é de calção, havaiana e vou vestir uma t-shirt porque o tempo está a encobrir, não vá eu resfriar, e depois? o que é que há para o jantar???!! :)))
      Imaginação... imaginação, e com pronúncia!

      Beijo... mmmm, gostei desse beijo gordo... imaginação, imaginação...

      Obrigado! ;)

      Eliminar
  2. Ela anda aí e vai dar cabo da tua (pouca) sanidade mental! :P
    Beijocas e continuação de bom sonho :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vai, não! Matei-a!

      Beijo e vamos ver como corre a coisa logo à noite. :))

      Eliminar
  3. Coitada da moça...era preciso matar? ehehehe

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, só assim deixo de a ouvir... ainda que por aí ande, mas já não a ouço!

      Beijo :)

      Eliminar
    2. Que assim seja :-)

      Beijinho

      Eliminar
  4. E pronto, ele arranjou maneira de trocar o coelho por uma cabidela!
    E se semeasses um pouco de trigo? sempre havia perdizes... :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Primeiro servi as entradas de coelho, e depois é que veio a cabidela. Terminei com uma bela sobremesa!
      Antunes, não tarda muito sou um master chef ou um lunático qualquer... hehehehe.
      Pronto, já tens ementa para amanhã ;)

      Eliminar
  5. Tenho de admitir que tracei um certo paralelismo entre o que sonhaste e o traje das meninas da Playboy. Claro que neste caso a tal caçadeira seria mesmo a que as mentes pecaminosas estavam a pensar. Mas, de que outra forma seria aceitável comer coelho todos os dias?...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por outro lado, comer coelhinha todos os dias é que será... uma utopia ou coisa da cidade de todos os pecados! :-)
      Abraço, respeitável homem de Marte!

      (Mas foi bem traçado o paralelismo, já me estou a ver a sonhar de novo logo à noite!) ;)

      Eliminar
  6. É sempre assim...desde tenra idade que nos ensinam a matar qualquer coisa lá no fundo! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas nem todos o fazem! Eu próprio, estive por várias vezes a um triz de o fazer, e fazia! Contudo, acabava sempre por a reanimar. Fraquezas...

      Eliminar
  7. A presença continua, não adianta de muito essa morte. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo resolve tudo!
      Beijo. ;)

      Eliminar
    2. Um dia de cada vez........ :-)

      Eliminar