terça-feira, 9 de abril de 2013

Lá fora na rua...




          ... o sol esquivava-se no horizonte. O escurecer clareado tão característico das estações mais quentes do ano iluminava o quarto. A janela de vidro larga, de parede a parede, estava despida, com a cortina puxada, e a cidade estava à vista. As luzes públicas já estavam acesas. Nos tempos de ditadura, diziam os mais antigos, que nesses tempos as luzes da rua eram de cor amarela, e agora, mais de meio século volvido, voltávamos a ver nas ruas a luz amarela dos candeeiros. Aqui e acolá, em locais mais ermos, até apagados. Mas também em sítios pouco ou nada frequentados, acesos ainda com a luz do dia. Um peso diferente para a mesma medida. Eram os efeitos da democracia. Ainda bem que os mesmos antigos já ali não viviam.

          Lá dentro, aos olhos da cidade perdida nos afazeres do fim de dia, com os phones nos ouvidos, ela dançava meio despida mas com as sapatilhas rosa choque calçadas, bamboleando o corpo. Ele aproximou-se por detrás, abraçou-a pela cintura, incapacitando-lhe os movimentos, encostou o nariz ao seu pescoço e sentiu-lhe o cheiro e o calor. Como um animal, bastava sentir-lhe o cheiro para a reconhecer. 
Ela retirou um dos auriculares do ouvido e colocou-o perto do dele. Sorriu. Ele ouviu e fechou os olhos. Abriu-os a medo e ela olhava-o ainda mais sorridente, aguardando o comentário ao som. Ele voltou a fechar os olhos. Rihanna. Ela ouvia Rihanna. Céus! É gaja, querias o quê? - pensou ele.
Sorriu-lhe de volta, com o mesmo entusiasmo, colocou-lhe o auricular no ouvido e largou-a. Ela reiniciou a dança e ele sentou-se aos pés da cama, a vê-la dançar.


          Na rua já o escuro da noite tinha tomado lugar, e já o reflexo do que naquele apartamento acontecia se notava pela luz ténue dos focos acesos. Ele aproximou-se da janela e correu a cortina...








13 comentários:

  1. Belo por do sol. Preciso de ver um desses.

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos nós precisamos, pelo menos aqui pelo reduto ibérico, não há meios de vir o sol... Fuck!

      Eliminar
  2. Ela ouvia Rihanna. Céus! :)))))))))))))))))))

    ResponderEliminar
  3. Saí agora de três aulas no gymn, estou exausta...lembrei-me de vir espreitar e ainda bem que o fiz!
    Adorei!
    "Ele aproximou-se por detrás, abraçou-a pela cintura, incapacitando-lhe os movimentos, encostou o nariz ao seu pescoço e sentiu-lhe o cheiro e o calor. Como um animal, bastava sentir-lhe o cheiro para a reconhecer."
    A-D-O-R-E-I!

    A foto também é muito gira.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, isso foi a adrenalina do gym, restos ainda presentes, ou então a exaustão, que pode levar à alucinação. Hehehe
      Obrigado.
      :)

      Eliminar
  4. lindo :)
    só é pena a parte final, pois fico sempre colada ao vidro a espreitrar e ele lembrou-se de correr a cortina... nem toda a gaja gosta de rihanna graças aos céus.
    pássaros lindos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voyeur dum catano! :))
      A imaginação é um bom estímulo, mesmo com o correr da cortina. A intenção é meramente estimular ;)

      Eliminar
    2. eheheheh imaginação tenho eu com fartura, obrigada :)
      às vezes só me apetece e gosto mesmo é de ver :p

      Eliminar
    3. :))) fica solenemente prometido que para a próxima abro a cortina para veres ;)

      Eliminar
    4. :))) obrigada. adoro ficar à janela, a ver.
      já sabes, se vires algum movimento não estranhes, sou eu :)

      Eliminar
  5. Foda-se primo!
    Rihanna, sapatilhas rosa choque.
    Não admira que o gajo tivesse fechado a cortina. :))))))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hehehe, é a frescura da juventude, primaço! :)

      Eliminar